Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Campus Ji-Paraná realiza Roda de Conversa com representantes do povo Arara

Publicado: Segunda, 10 de Junho de 2019, 09h56 | Última atualização em Segunda, 10 de Junho de 2019, 10h03 | Acessos: 183

Roda de conversa.ADS 2O IFRO (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia), Campus Ji-Paraná, recebeu representantes do povo Arara. No dia 29 de maio, estiveram na unidade as indígenas Marli Peme Arara e Larissa Arara e a representante do Conselho de Missão entre Povos Indígenas (Comin), Jandira Keppi. Elas participaram de uma roda de conversa sobre preconceito na disciplina de Relações Étnico-Raciais e Direitos Humanos do Curso Superior de Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS).

“Na disciplina de Relações Étnico-Raciais e Direitos Humanos do Curso de ADS procuramos trazer debates atuais acerca das questões étnico-raciais que permeiam a sociedade atual”, explica a Professora Lediane Fani Felzke. “Foi com esse intuito que convidamos a especialista em direito indígena Dra. Jandira Keppe e a liderança Marli Peme Arara, Coordenadora da Educação Escolar Indígena de Ji-Paraná, para uma roda de conversas com os alunos do quinto período de ADS. Essa noite foi muito interessante, pois foram discutidas questões como preconceito, demarcação de terras indígenas, modos de vida dos povos indígenas, entre outros temas”, contou a docente.

O momento propiciou aos alunos o contato direto com representantes indígenas, visando uma visão para além dos textos teóricos. Conforme Erick Peluti Farias, que cursa o quinto período de ADS, aprovou a iniciativa. “Recebemos a maioria das informações de livros e vídeos, mas a vinda da própria Marli Arara é outro nível, é encarar a realidade de perto. Foi enriquecedor ter ela contando as histórias do povo dela e dando atenção às nossas perguntas”.

Segundo a acadêmica Dâmaris Sanches “para a maioria dos alunos em sala, aquele foi o primeiro diálogo com a cultura indígena. Conversar diretamente com um morador da aldeia é muito mais impactante e relevante do que ler em algum lugar ou ouvir falar. Eu e minha turma esperamos ter novas oportunidades de conversa, tanto com a Dra. Jandira, quanto de Marli Arara, e qualquer outra pessoa disposta a nos passar conhecimento para que cada vez menos tenhamos conceitos errados sobre a cultura indígena”.

  • Roda_de_conversa.ADS
  • Roda_de_conversa.ADS_2
  • Roda_de_conversa_JIPA

Simple Image Gallery Extended

Fim do conteúdo da página