Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Campus Ariquemes possui caixa demonstrativa com abelhas sem ferrão

Publicado: Terça, 11 de Setembro de 2018, 17h14 | Última atualização em Segunda, 17 de Setembro de 2018, 19h24 | Acessos: 424

Campus Ariquemes Abelhas 7

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO), Campus Ariquemes, possui uma caixa racional demonstrativa com abelhas sem ferrão (gênero Melipona) utilizada como ferramenta pedagógica na unidade educacional. No dia 31 de agosto, alunos da unidade, participaram de uma aula de sociologia, na qual a caixa foi empregada para discutir tópicos relacionados ao conceito de trabalho.

Sobre o estudo

O objeto de aprendizagem provém de um projeto desenvolvido em uma área florestal do campus, que consiste na coleta, por meio de redes entomológicas, de espécies de meliponíneos existentes no local. Além disso, a ação promove o manejo e o aproveitamento de ninhos das espécies encontradas em caixas entomológicas que são disponibilizadas para estudos no campus.

“Contudo, diante da aparente carência de populações, ou seja, do número reduzido encontrado no fragmento de floresta do Campus Ariquemes, optamos por introduzir caixas racionais com diversas espécies de abelhas no Campus, iniciando com o gênero Melipona em uma caixa demonstrativa, disponível como ferramenta pedagógica ao alcance de todos”, explica a técnica em assuntos educacionais e bióloga do Campus, Clotilde Tânia Rodrigues Luz, uma das responsáveis por conduzir o estudo que complementa: “Abelhas são insetos sociais com atividades imprescindíveis para o ser humano e à preservação da natureza”.

Utilização das abelhas em sala de aula

A novidade chamou a atenção de alunos e professores no Campus. Um dos docentes interessados na ferramenta foi o professor de sociologia, Alessandro Eleutério de Oliveira, que planejou aulas com alunos dos cursos técnicos de Alimentos e Informática. Tópicos relacionados ao conceito de trabalho, como por exemplo, a diferença entre trabalho humano e “trabalho animal” foram discutidos, com apoio de texto sobre inteligência coletiva e interação com a colmeia de abelhas.

O estudo foi conduzido por dois acadêmicos bolsistas, uma servidora – bióloga – Clotilde Tânia Rodrigues Luz, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia-IFRO Campus Ariquemes, e um professor colaborador (servidor da CEPLAC- Francisco Tarcisio Lisboa).

Fim do conteúdo da página