Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Mestrandos em Educação Profissional e Tecnológica do IFRO qualificam projetos de pesquisa

Publicado: Terça, 10 de Dezembro de 2019, 18h35 | Última atualização em Terça, 10 de Dezembro de 2019, 18h36

2018 11 22 alunos profept

A primeira turma do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO) concluiu uma importante fase do curso nos meses de outubro e novembro de 2019, com o processo de qualificação dos projetos de pesquisa.

O coordenador do mestrado, professor Dr. Antônio dos Santos Júnior, destacou que houve a permeabilidade do ProfEPT-IFRO, pois foi possível realizar os exames de qualificação em três cidades de Rondônia, que foram Colorado do Oeste, Ji-Paraná e Porto Velho. “Assim, interiorizamos os programas de pós-graduação Stricto sensu em nosso estado. Isso só foi possível pelo esforço institucional e dos servidores do IFRO envolvidos, bem como pela parceria com outras instituições como a UNIR, pois professores dos campi do interior da Universidade estiveram presentes em nossas bancas. Agradecemos por essa saudável relação interinstitucional que fortalece o nosso programa de mestrado e o promove o desenvolvimento de instituições e pessoas para o interior do estado”, ressaltou o coordenador.

Exames de qualificação

Em 17 de outubro os exames de qualificação ocorreram no Campus Colorado do Oeste e a banca examinadora avaliou os projetos de Charles Emerick Medeiros Dutra e Neirimar Humberto Kochhan Coradini, ambos orientados pelo professor doutor Aurélio Ferreira Borges. Para o exame de qualificação, Charles, professor de Química do IFRO, submeteu sua pesquisa intitulada “A experimentação problematizadora aplicada às aulas de Química e suas contribuições para a melhoria do desempenho escolar”. E Neirimar, bacharel em Jornalismo, submeteu a pesquisa “Podcasts na Educação Profissional e Tecnológica” para qualificação. “Foi bom passar por essa avaliação, pois as considerações recebidas se somarão às indicações do orientador para melhorar ainda mais a qualidade da pesquisa”, comentou o mestrando Neirimar sobre os resultados da banca.

Já Tayana Maria Tavares Marques, professora de Eletrotécnica do IFRO, orientada pelo doutor Antônio dos Santos Júnior, passou pela qualificação em 30 de outubro em Porto Velho com o projeto “Percepção de professores e estudantes do IFRO Porto Velho Calama acerca do desenvolvimento de metodologias de ensino centro no estudante em disciplinas técnicas do curso de Eletrotécnica integrado ao Ensino Médio”. Tayana comentou sobre o que a levou a desenvolver esse trabalho. “A motivação do curso nasceu do resultado de uma pesquisa com professores de eletrotécnica a respeito da percepção e metodologias de ensino-aprendizagem empregadas em sala de aula. Verificamos a necessidade de compartilhar o conhecimento, metodologias e ferramentas educacionais tecnológicas com os professores para que pudessem repensar sua prática docente e, por conseguinte, a aprendizagem dos estudantes”, explicou a mestranda.

Para Marines Vieira Matos, licenciada em Geografia e pós-graduada em Gestão Ambiental, a banca de qualificação foi realizada em Ji-Paraná, sob orientação da professora doutora Jânia Maria de Paula. Defendendo o projeto “Culinária como cultura material no curso Técnico em Alimentos”, Manires contou que aplicará a pesquisa no próximo ano. “Vou trabalhar essa pesquisa na disciplina de Análise Sensorial, sendo a proposta de produto final um caderno de receitas com pratos da memória gustativa e do hábito alimentar dos próprios alunos, procurando valorizar a cultura local, a contribuição dos costumes do povo migrado para a culinária do município de Ariquemes e seus hábitos alimentares”, explicou a mestranda.

Desenvolvimento do mestrado

Após a fase de qualificações, a expectativa é que os estudantes com os projetos de pesquisa já qualificados finalizem a parte de investigação até o mês de março de 2020 e que todas as defesas de dissertação e validação dos produtos educacionais aconteçam até o final de julho de 2020.

Com a conclusão desta etapa, o coordenador do curso demonstrou satisfação com os resultados. “É uma satisfação trabalhar de maneira orquestrada com os colegas docentes do programa e com estudantes envolvidos em pesquisas focado no aprimoramento da Educação Profissional e Tecnológica, dentro e fora do IFRO”, comentou

Destaca-se também que os resultados das pesquisas desenvolvidas pelos mestrandos já começaram a aparecer, como ressaltado pelo coordenador. “A primeira turma do ProfEPT-IFRO é feita de destemidos pioneiros, servidores do IFRO e outros profissionais externos com interesse em desenvolver novas habilidades. Ao lado dos orientadores, os estudantes das duas turmas em desenvolvimento estabelecem as bases para as linhas de pesquisa em Práticas Educativas e em Organização e Memórias da EPT em Rondônia. Uma parte dos resultados obtidos já foram divulgados em eventos nacionais. A outra parte será compartilhada com a comunidade por meio de livros, como o Diálogos Interdisciplinares em Educação Profissional, organizado pelos professores Alexandre de Oliveira e Xênia de Castro Barbosa, e da publicação de um número especial do periódico EPT em Revista, chamado Dossiê EPT na Amazônia, com publicações das professoras Sandra Ferrari e Lediane Felzke”, explicou o coordenador Antônio.

  • 2018-11-22_alunos_profept
  • 2019-10-11_Marines
  • 2019-10-17_Charles
  • 2019-10-17_Neirimar
  • 2019-10-30_Tayana
Fim do conteúdo da página
-->