Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Campus Guajará desenvolve projeto "Um olhar atento para a pessoa com deficiência”

Publicado: Sexta, 30 de Novembro de 2018, 16h27 | Última atualização em Sexta, 30 de Novembro de 2018, 17h02 | Acessos: 860

Campus Guajará Inclusão 93

O projeto “Um olhar atento para pessoa com deficiência” envolveu alunos dos cursos Técnicos em Biotecnologia e Manutenção e Suporte em Informática [1º e 2º anos], do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO), Campus Guajará-Mirim e ocorreu no decorrer do mês de outubro. A dinâmica da proposta educativa envolveu leituras, pesquisas, entrevistas e visitas a pessoas, famílias e instituições, com vistas a reconhecer tipos de deficiência, como a visual, auditiva, de mobilidade, o autismo e a Síndrome de Down.

Conforme a coordenação do projeto, o objetivo do conjunto de ações foi colaborar para que discentes e comunidade possam se sensibilizar na causa do grupo de pessoas com deficiência, conhecendo suas necessidades e anseios, para posteriormente buscar adequações, produtos e serviços, que atendam esse público localmente.

Segundo a coordenação do projeto, há muito a se realizar no tocante às pessoas com deficiência. No campo prático ou cultural, ainda se presenciam transportes estacionados em vagas destinadas a esse grupo e em rampas de acessos, por exemplo. Grande é a dificuldade em encontrar num condomínio ou conjunto habitacional casas projetadas com acessibilidade. Considerando que os discentes do campus poderão ser engenheiros, professores, advogados e médicos da cidade, o projeto é uma “semente” lançada para que futuras construções observem parâmetros de mobilidade para pessoas que tenham qualquer uma das deficiências contempladas.

Fases do projeto

O projeto foi realizado em fases, iniciando pelas pesquisas em suportes midiáticos, livros e revistas específicas, seguido de entrevistas com pessoas com alguma necessidade e/ou membros de sua família, responsáveis por instituição de atendimento a esse público; a terceira fase ocorreu no momento de divulgação e apresentação de resultados.

As turmas dos primeiros anos do turno vespertino foram responsáveis pelos temas: deficiência visual, surdez, mobilidade reduzida. Já as turmas dos segundos anos do turno vespertino tiveram a incumbência de estudar os temas: Autismo e Síndrome de Down.

Espera-se que com o Projeto, os discentes das turmas envolvidas desenvolvam um olhar atento para pessoa com deficiência e possam ser agentes do processo de inclusão de grupo a todos os espaços sociais. Espera-se, ainda, que na vida acadêmica, os estudantes possam ser membros ativos do Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas - NAPNE e que participem dos projetos desenvolvidos no campus.

A culminância do Projeto foi no dia 20 de outubro. “Tratar de um tema de altíssima relevância com adolescentes produz uma sensação de parte do dever cumprido. Ver como fizeram a abertura do evento, entrevistaram os convidados especiais, receberam seus convidados (responsáveis), apresentaram o trabalho, foi muito gratificante. Espero que a semente tenha sido lançada”, disse o coordenador do projeto, professor Antônio Ramiro de Mattos. 

Para o aluno extensionista bolsista, Lucas da Silva Campos, o projeto foi muito importante para sua vida pessoal e acadêmica, “[...] me fazendo rever conceitos e pensar mais nesse grupo de pessoas com necessidades especiais”.

A aluna Edwarda de Paula Soares Ojopi destacou a aquisição de conhecimentos que o projeto proporcionou a ela. “O esforço do professor Ramiro me incentivou a não desistir dos momentos difíceis. O projeto foi uma inovação para os visitantes e para mim. Espero colaborar futuramente neste projeto”, ressaltou.

Danielle Gabriele Barba Teixeira comentou que o “Um olhar atento para pessoa com deficiência” teve grande relevância para sua vida e formação acadêmica. “Pois eu consegui ter um olhar diferente, uma vez que todos nós somos deficientes em algo, também me tornou uma pessoa mais atenta e consciente com relação às pessoas com deficiência”, falou.

  • Campus_Guajará_-_Inclusão_1
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_10
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_100
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_101
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_102
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_103
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_104
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_105
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_106
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_107
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_108
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_109
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_11
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_12
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_13
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_14
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_15
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_16
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_17
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_18
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_19
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_2
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_20
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_21
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_22
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_23
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_24
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_25
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_26
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_27
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_28
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_29
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_3
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_30
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_31
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_32
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_33
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_34
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_35
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_36
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_37
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_38
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_39
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_4
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_40
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_41
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_42
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_43
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_44
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_45
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_46
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_47
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_48
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_49
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_5
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_50
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_51
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_52
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_53
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_54
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_55
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_56
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_57
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_58
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_59
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_6
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_60
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_61
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_62
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_63
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_64
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_65
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_66
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_67
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_68
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_69
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_7
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_70
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_71
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_72
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_73
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_74
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_75
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_76
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_77
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_78
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_79
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_8
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_80
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_81
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_82
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_83
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_84
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_85
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_86
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_87
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_88
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_89
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_9
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_90
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_91
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_92
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_93
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_94
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_95
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_96
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_97
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_98
  • Campus_Guajará_-_Inclusão_99
Fim do conteúdo da página
-->