Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

IFRO obtém resultados positivos na Campus Party Rondônia

Publicado: Quinta, 09 de Agosto de 2018, 12h23 | Última atualização em Quinta, 09 de Agosto de 2018, 12h24 | Acessos: 510

CPRO IFRO fotos 3 de agosto 2

Estudantes e servidores do IFRO (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia) finalizaram com resultados positivos a participação na primeira edição de uma Campus Party no Norte do Brasil. Além de conhecimento, criatividade, inovação e acesso à tecnologia, os representantes do IFRO tiveram dois projetos em terceiro lugar entre as propostas de startups: Sistema Agro Gerenciador, do Campus Cacoal, e o aplicativo no sistema android para tradução dos termos técnicos de informática em Libras (Língua Brasileira de Sinais), do Campus Ji-Paraná.

As iniciativas foram apresentadas no Startup & Makers, que é destinado a projetos inovadores de proposta de empresas em estágio inicial ou avançado. Essas idealizações receberam possibilidades de networking, mentoria e conteúdo educacional, com palestras e painéis. A acadêmica do Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) do Campus Ji-Paraná, Mariana Soares Segatto, explica que o projeto de tradução de termos técnicos de informática traduzido para Libras pretende ser um dicionário, que mostrará o conceito do termo juntamente com um vídeo que traduz para a língua de sinais.

No Startup & Makers também esteve representada a Rede de Incubadoras de Empresas de Rondônia (Redinova/IFRO), por meio do empreendimento Okmed. Segundo o servidor da Reitoria, Collien Rodrigo Néry, a ideia é agilizar o acesso ao serviço de saúde privado de Porto Velho, pois para marcar uma consulta os pacientes precisam ligar ou mesmo ir até o local, gerando transtornos para serem atendidas ou encaminhadas para o especialista correto. “A Okmed vem para solucionar esse problema, oferecendo possibilidade de marcar consulta online, em que se pode escolher o horário e o médico para o atendimento, pode também baixar os exames no celular, ter acesso aos dados financeiros como pagamento, boletos vencidos ou não, ou mesmo a pagar com o aplicativo, ter acesso ao cartão de vacina online, ter acesso ao histórico de saúde detalhado, para ser atendido da forma correta e de forma mais ágil”, diz Collien que é um dos idealizadores da startup.

O Coordenador de Inclusão Social e Produtiva, Jairo Tschurtschenthaler Costa, tratou da Redinova em uma das palestras feitas com servidores do IFRO para o público da Campus Party, abordando a importância das aceleradoras e incubadoras de empresas para o desenvolvimento do ecossistema de inovação em Rondônia. “A palestra conseguiu atrair um público jovem para eles poderem conseguir entender o que é esse movimento de startups que está ocorrendo em Rondônia, por isso essa temática de Star Wars que utilizei. Fez os jovens terem essa associação de um empreendedorismo que está sendo desenvolvido pelo Instituto Federal com algo que eles conheçam, então, fica fácil associar esse conteúdo”, explicou o servidor.

Robótica

O III Beiradeiro Robot Challenge foi organizado por professores do Campus Porto Velho Calama, num campeonato de robótica que previa a criação de robô autônomo capaz de interagir com o ambiente em que ele se encontra para realizar determinada tarefa. Na modalidade Resgate, venceram as equipes Scorpions (425 pontos), Serial. Team (420 pontos) e Megabot (340 pontos). Nesta disputa, é estimulada a criação de robôs capazes de competir na modalidade prática da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), uma vez que os desafios presentes são semelhantes aos que os estudantes encontram na OBR.

A categoria Sumô, em que dois robôs adversários se empurram com o objetivo de levar o oponente para fora da área estabelecida como arena, teve a seguinte classificação: Walkers (44 pontos), Ctrl Aut. (42 pontos) e Calama Chevaliers (40 pontos). E na terceira forma de competição, Sumô Todos conta Todos, na qual estão na arena vários robôs adversários tentando levar o oponente para fora da área estabelecida, os ganhadores foram Walkers, Ctrl Aut. e Caixa de Sapato (Fisherlegoino).

Palestras e mentorias

O IFRO também esteve representado em outras palestras na Campus Party Rondônia (CPRO). O Professor de Administração do Campus Cacoal, Juliano Cristian, abordou o tema “Tenho uma Startup: e agora como ganhar dinheiro?”. Segundo ele, “a grande preocupação que estamos acompanhando, fazendo a mentoria nos novos modelos de negócio, é que os empresários e os empreendedores estão tendo dificuldade de dimensionar qual a estrutura de custo que uma startup para começar seus trabalhos. Monta-se todo o negócio, consegue-se chegar à monetização do negócio e a como ganhar dinheiro, mas na hora de dimensionar quais são os gastos que essa empresa vai precisar para poder abrir, ou para conseguir um investimento, ou colocar seu produto no mercado, há um tratamento muito grande que não se consegue dimensionar”.

Já o Professor de Informática do Campus Cacoal, Thiago Kaiser, trabalhou o “pitch”, ou os três minutos que os participantes possuem para apresentar e vender ideias de startups durante a Campus Party. “Pitch é aquele discurso pequeno, rápido e conciso para defender seu negócio mediante investidores. Como montar esse pitch e a parte motivacional, para que acredite em si mesmo, muitas pessoas têm dificuldades de falar em si mesmo e, principalmente, quando se está diante de uma banca a pressão é maior. Então, além de toda estrutura da apresentação, tem essa parte motivacional, para que consiga vencer esses medos e consiga colocar trabalho à frente”, disse o docente.

Outro formato de repasse de conhecimento foi na forma de mentoria, em que profissionais do IFRO levavam informações específicas, consultadas pelos interessados por meio de um minicurrículo. Assim, os professores dos campi e da reitoria ofertavam aconselhamentos, na busca por ampliar horizontes dos novos empreendimentos. “Tem sido interessante porque consegue conhecer melhor as pessoas que estão tentando desenvolver seus projetos, consegue entender quais são seus gargalos”, afirmou o Coordenador do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT/IFRO), Marcio Rodrigo Miranda, que atuou na área de inovação e educação.

Fim do conteúdo da página