Ir direto para menu de acessibilidade.

Rastro de navegação

Página inicial / Últimas Notícias IFRO / Acesso à informação é parte do trabalho do Instituto Federal
Início do conteúdo da página

Acesso à informação é parte do trabalho do Instituto Federal

Publicado: Sexta, 07 de Abril de 2017, 16h34 | Última atualização em Segunda, 10 de Abril de 2017, 10h09

Comunicação no IFRO

Em 7 de abril comemora-se o Dia do Jornalista. A função do jornalismo é apurar fatos e levar as informações sobre os acontecimentos locais, regionais, nacionais e internacionais para as pessoas. No Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO) a atividade segue um fluxo em que representantes dos campi indicados pelas respectivas direções-gerais recebem informações, as organizam e repassam para publicação no portal institucional ou outros espaços destinados à comunicação: redes sociais oficiais (Facebook, Twitter, Instagram e Youtube), newsletter e panorama semanal (distribuídos para pessoas e instituições cadastradas em um mailing list de contatos). 

O jornalista Dennis Weber, que atua há pouco mais de um ano no IFRO, afirma que o trabalho na Assessoria requer o domínio de muitas habilidades, dentre elas o conhecimento de linguagens diversas para a concepção e disseminação dos produtos comunicacionais. “Como trabalhamos com textos, vídeos e áudios, temos que estar atentos às últimas tendências sobre os discursos a serem adotados, para transmitir as informações da forma mais objetiva possível. Nas redes sociais não é diferente: a comunicação instantânea desses veículos de comunicação também exige uma adequação nos textos e imagens que divulgamos”, explica acrescentando que o trabalho em equipe e a troca de conhecimentos sobre o fazer comunicacional é o que move o trabalho da Ascom: “mesmo com funções delimitadas, trabalhamos em equipe, tanto na concepção dos textos, artes, quanto na construção de documentos que norteiam os trabalhos de comunicação e difusão dentro do Instituto”. 

A atuação do jornalista na Assessoria de Comunicação é essencial para trabalhar a imagem da instituição, explica a jornalista Ariadny Ferreira. Ela acrescenta que os jornalistas “enfrentam desafios diários para trabalhar a comunicação tanto de forma interna quanto externa. A função tem sido cada vez mais bem aceita e valorizada dentro das empresas, que têm avaliado a importância do profissional, que objetiva trabalhar a informação para que ela possa atingir a públicos diferenciados, levando conteúdos relevantes à comunidade de uma forma geral”.

Conforme lembra a jornalista Rosália Silva, a data 7 de abril é dedicada ao Dia do Jornalista brasileiro, como forma de homenagem ao trabalho dos profissionais da mídia em rádios, canais de televisão, sites ou jornais impressos. “No nosso caso, somos jornalistas do Instituto Federal de Rondônia, lotados na Ascom, a Assessoria de Comunicação e Eventos. Aqui nosso trabalho é atuar em conjunto com os campi para divulgar as ações de toda a instituição. Costumo sempre pensar que o serviço de um jornalista assessor de imprensa é uma ponte entre instituição a quem prestamos serviço, ao público direto ou indireto dela, e aos colegas da mídia. No caso de uma instituição pública como o IFRO, nosso trabalho envolve muito mais atenção ao acesso às informações e à prestação de um serviço a toda sociedade”.

Para a assessora de Comunicação e Eventos, a programadora visual Janaina Ferri Candéa, enquanto servidores do IFRO, a comunicação é papel de todos, servidores e alunos. “Para a informação chegar até a assessoria, precisamos muito da atuação das coordenações e, consequentemente, envolver todos no processo comunicacional. Todos são importantes para a construção de uma comunicação mais eficiente”, reforça. Ela explica que aliada à Ascom, as Ccom/Ccevs (setores de comunicação dos campi) atuam no dia a dia visando fortalecer a comunicação institucional, tendo em vista a responsabilidade de defender o direito do cidadão à informação de qualidade, ética, plural e democrática.

No Brasil, assessores de imprensa e jornalistas de redação desempenham a mesma função, que é divulgar acontecimentos a públicos diversos. “A comunicação é importante pelo fato da assessoria ser responsável pela divulgação das informações, que deve ser feita de forma estratégica, daí a importância do profissional que atua nesta área. Além disso, o jornalista por ser uma figura imparcial garante veracidade às informações e desempenha papel essencial na padronização das informações, nos principais canais do IFRO, como portal de notícias, por exemplo, ao seguir critérios jornalísticos estabelecidos o jornalista garante que as informações divulgadas tenham alto padrão de qualidade e confiabilidade”, acrescenta Ariadny Ferreira.

Sobre seu trabalho no Campus Porto Velho Zona Norte, o coordenador Guilherme Freitas afirma ser muito “interessante a relação que se cria entre os profissionais da área da comunicação. Aqui no campus sempre precisamos de auxílio da Ascom e vice-versa, se estabelece uma parceria, sabemos que podemos contar um com outro”. No ano de 2016, a CCOM do Zona Norte contribuiu com 55 matérias jornalísticas que foram publicadas no site do IFRO. O trabalho conjunto ainda contribuiu para que mais de 32 matérias sobre a unidade fossem publicadas nos principais sites de notícias de Rondônia.

A atuação da comunicação em Ji-Paraná segue os mesmos passos dos outros campi, contribuindo para a publicização dos atos institucionais. "No Campus Ji-Paraná estamos frequentemente desenvolvendo ações na realização de eventos e projetos, que abordam os três eixos do IFRO: Ensino, Pesquisa e Extensão, bem como ações voltadas para a otimização da comunicação interna e externa do campus. Dessa forma a Coordenação de Comunicação e Eventos busca registrar essas ações por meio da disseminação das informações utilizando os mais variados veículos de comunicação, a fim de promover a divulgação", analisa a coordenadora de Comunicação e Eventos do Campus Ji-Paraná, Fernanda Rodrigues de Siqueira.

Em Colorado do Oeste, o Coordenador da CCOM, Neirimar Humberto Kochhan Coradini, salienta que “trabalhar com comunicação e eventos exige muito dinamismo. Nós comunicadores sempre tentamos saber tudo o que acontece na instituição para registrarmos e divulgarmos. Buscamos produzir as matérias da melhor maneira possível, para proporcionar uma leitura agradável e informativa. Procuramos participar da organização e realização de eventos, focando o sucesso na execução deles. E nos empenhamos em atender as demandas que envolvem as áreas de comunicação e eventos. Todavia, para termos êxito nisso tudo é preciso que todos colaborem e sejam conscientes que são importantes neste processo, desde os servidores que organizam uma atividade até os alunos que compartilham as publicações da instituição”.

No âmbito do IFRO foi criado o formulário para sugestão de pauta, em que todos podem contribuir com o trâmite das informações institucionais."O formulário é mais uma ferramenta que potencializa o trabalho de comunicação no IFRO, pois todos podem enviar suas sugestões de pauta, tanto da comunidade interna quanto do público externo", destacou o jornalista Dennis Weber. 

Origem do Dia do Jornalista

Criado pela Associação Brasileira de Imprensa (ABI), o Dia do Jornalista iniciou no centenário de morte do médico e jornalista Giovanni Battista Libero Badaró, importante personalidade na luta pelo fim da monarquia portuguesa e Independência do Brasil, e que foi assassinado no dia 22 de novembro de 1830, em São Paulo.  Foi também no dia 7 de abril que a Associação Brasileira de Imprensa foi fundada, em 1908, com o objetivo de assegurar direitos aos jornalistas.

Segundo a Federação Nacional de Jornalistas, nas últimas décadas, o jornalismo foi reconhecido e se firmou, no Brasil, como um modo de ser profissional, exigindo dos profissionais competência técnica, responsabilidade social e compromisso ético. A atividade passou a ser fortemente vinculada ao interesse público, com crescente reflexão sobre a ética e as habilidades próprias das funções exercidas no jornalismo, nos seus mais variados formatos. 

Neste início de ano, a Fenaj e 31 sindicatos de jornalistas do país divulgaram o Relatório de Violência Contra Jornalistas e Liberdade de Imprensa no Brasil 2016, que demonstrou o aumento de 17,52% dos casos de violência contra jornalistas no Brasil, em relação ao ano de 2015. Foram registradas 161 ocorrências em que 222 profissionais de todo o país foram submetidos a agressões físicas ou verbais, ameaças, intimidações, cerceamento por meio de ações judiciais, impedimentos ao exercício profissional e à atividade sindical, prisão, censura, atentados e assassinatos.  Dados que demonstram o trabalho da comunicação continua sendo essencial ao exercício da democracia.

Fim do conteúdo da página