Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Mulheres são capacitadas em auxiliar financeiro e inglês básico pelo Campus Guajará

Publicado: Sexta, 21 de Dezembro de 2018, 12h35 | Última atualização em Sexta, 21 de Dezembro de 2018, 12h35 | Acessos: 638

Finalização do Projeto Empoderamento da Mulher 1Mais de 50 alunas receberam certificação do curso FIC (Formação Inicial e Continuada) do Projeto de Empoderamento da Mulher, promovido pelo IFRO (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia), Campus Guajará-Mirim. A cerimônia de encerramento e certificação dos cursos Auxiliar Financeiro e Inglês Básico foi no sábado, 15 de dezembro.

O curso iniciou no dia 26 de outubro, destinado a mulheres em vulnerabilidade socioeconômica do município de Guajará-Mirim. Toda a formação ocorreu nas dependências do próprio Campus Guajará-Mirim e a cerimônia foi no auditório da unidade, onde 54 alunas receberam os certificados.

Segundo a Professora Andrirlei Santos de Sousa, empoderar mulheres que passam por vulnerabilidade socioeconômica contribui por melhorar a autoestima e também criar novas perspectivas para elas. “Realizar o curso foi extremamente gratificante ao ver a evolução das mulheres no decorrer do mesmo. Ver o pasmo delas ao saber quantos direitos possuem e sequer tinham conhecimento, passaram a se valorizar e a fazer valer cada direito adquirido”, explica a docente.

Na opinião dos coordenadores da ação, a realização do projeto se torna importante para o campus porque mostra que o IFRO se preocupa não só com os alunos do ensino básico, como também em melhorar de alguma forma a situação social dos moradores da região, nesse caso as mulheres do município.

“Elas saíam do curso cheias de sonho e isso foi muito interessante. E no final do curso elas se sentiam melhores com elas mesmas e melhor umas com as outras, ficaram unidas. Saber que o Instituto pode fazer a diferença, não só com servidores e alunos, mas com pessoas da sociedade que têm essa dificuldade toda, econômica, financeira e psicológica mesmo, porque nós temos uma cultura muito machista. Saber que pudemos contribuir que elas pudessem sonhar mais e se libertar de certos tabus, foi fantástico. E elas estão animadas, esperando o próximo curso ou outras oportunidades para poderem se aperfeiçoar ainda mais, conseguir um bom emprego, pensam em fazer faculdade, que muitas já tinham desistido. Foi a parte que mais me encantou, porque no final das contas superaram todas as dificuldades que tinham e foi maravilhoso”, conclui Andrirlei.

Fim do conteúdo da página