Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Calama realiza Encontro Regional de Mulheres da Tecnologia

Publicado: Quarta, 08 de Novembro de 2017, 19h00 | Última atualização em Quarta, 08 de Novembro de 2017, 19h10 | Acessos: 297

Calama 2

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO), Campus Porto Velho Calama, realizou no dia 20 de outubro o I Encontro Regional de Mulheres da Tecnologia, como um evento satélite da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2017.

A proposta desta primeira edição surgiu da necessidade de incentivar as discentes de tecnologia a conhecer a comunidade feminina de tecnologia, com o foco em incentivar o êxito e continuidade na área. O evento foi organizado pelo grupo Ada Code - Menina Digitais de Rondônia, que é um programa de incentivo ao fortalecimento feminino na área da computação, vinculado à Sociedade Brasileira de Computação.

Ministrou palestra, com o tema “Da computação musical a cidades inteligentes: com as mulheres na tecnologia”, o professor Antônio Deusany de Carvalho Junior. Ele apresentou diversas mulheres que desenvolvem pesquisas na computação, com a dedicatória para todas as mulheres, pesquisadoras ou não, que participaram de sua carreira acadêmica, desde os primeiros estímulos durante o ensino médio até o pós-doutorado que está em andamento. Demonstrando, assim, como as mulheres estão presentes em diversas áreas da ciência e como elas trabalham com a tecnologia a seu dispor para crescerem e ajudarem os outros ao seu redor.

Antônio Deusany avaliou, que apesar do evento ser voltado para mulheres, ter homens participando foi um marco memorável, pois a questão não é elevar as mulheres, mas sim propiciar igualdade de condições a todos.  

No período da tarde o evento contou com a realização da mesa-redonda com o tema “Mulheres na tecnologia: da escolha à profissão”, o qual participaram a professora do Departamento da Ciência da Computação na UNIR (Universidade Federal de Rondônia), Carolina Watanabe, a Secretária adjunta da regional Norte 3 (Rondônia e Acre) da Sociedade Brasileira de Computação, Renata Luz, a analista de sistema do Tribunal de Justiça de Rondônia, Silvia Gobete, e a representante setor de Formação Continuada da Coordenadoria Regional de Educação de Rondônia, Nélia Ocampo.

Durante a atividade, as participantes relataram as experiências que obtiveram durante toda a vida acadêmica e de trabalho, relatando as dificuldades, os desafios e os sucessos obtidos ao longo de suas trajetórias. Para Nélia Ocampo o evento foi de grande valia na divulgação da área de computação, estimulando o interesse de mulheres a se engajarem nos cursos de tecnologia, destacando que a mulher pode ocupar qualquer lugar.

Mais de 200 pessoas participaram das atividades. Segundo o professor Kaio Alexandre, coordenador do programa Ada Code - Meninas Digitais de Rondônia, “estas ações se fazem necessárias para incentivar a permanência e o êxito das mulheres que sonham em trilhar na área da tecnologia, pois é historicamente comprovada a capacidade e o potencial das mulheres na área da computação e ao criar meios para que o preconceito diminua nesta área, o crescimento obtido na área da computação será com certeza exponencial”.

Nova diretoria

Após a mesa-redonda ocorreu a renovação da diretoria do Programa Ada Code - Meninas Digitais de Rondônia.  A primeira gestão do programa recebeu um certificado de participação pela Sociedade Brasileira da Computação, reconhecendo os trabalhos prestados durante todo o ano de trabalho do grupo. Thaís Costa, aluna do 4º ano do Curso Técnico em Informática, relata que “ajudar a fundar o Ada Code e participar da primeira diretoria foi muito gratificante. No programa, além dos laços entre as alunas do curso técnico em informática e análise e desenvolvimento de sistemas serem estreitados, muitos projetos foram desenvolvidos e objetivos foram alcançados. Conseguimos aumentar a participação das mulheres associadas a Sociedade Brasileira de Computação e engajá-las a desenvolver atividades de pesquisa e extensão durante o curso no IFRO, para obter melhor aproveitamento. Tem sido um aprendizado mútuo, onde sou muito grata por todas as meninas e por ter a honra de desenvolver a função de vice-líder”.

Thaís ainda relatou que o I Encontro Regional das Mulheres na Tecnologia foi fundamental para disseminar e expor a importância de tantas mulheres que atuam na área de tecnologia da informação. “Também tivemos a oportunidade de discutir assuntos relacionados ao dia a dia, mercado, preconceito e outros. Me senti mais motivada e apta a seguir carreira na área tecnológica. Como formanda, sentirei muita falta de participar ativamente do Ada Code. Mas, com toda a certeza, continuarei apoiando e vigiando o programa na medida do possível”, comentou.

Carolina Barros também cursa o 4º ano de Informática e acredita que as atividades do projeto e o encontro servem para mostrar que, independente do sexo, pode-se fazer a diferença. Ela diz que “participar da diretoria do Ada Code foi uma experiência que me ajudou a amadurecer e criar ainda mais responsabilidade, uma vez que eu era responsável pela parte financeira, assim tendo que aprender a administrar os ganhos e os gastos e usá-los de forma que trouxesse vantagens ao grupo. O Encontro mostrou-me a importância da presença feminina na área da informática e as importantes figuras femininas que fizeram diferença nesse ramo, trazendo inspiração para dar o melhor de mim no que eu fizer”, relatou.  

Isadora Cristina assumiu a função de secretária na nova diretoria e explicou que quando foi convidada a fazer parte da diretoria do grupo ficou “super feliz com a proposta e logo então aceitei. É gratificante saber que confiam em mim para ajudar o grupo. Pretendo dar sempre o meu melhor e fazer o possível para retribuir essa confiança em forma de muito esforço e dedicação. Quero fazer o possível para estar, juntamente com as outras meninas da diretoria, ampliando e melhorando o que for necessário para o sucesso e reconhecimento ainda maior do grupo”.

Danielly Farias é outra estudante que compõe a nova na diretoria. Ela relata que “atualmente somos mais de 40 moças e tivemos a oportunidade de ajudar e/ou prestigiar um pouco de todos os projetos, eventos e pesquisas que foram realizados pelo grupo no ano de 2017 e cada dia mais percebo o empenho, dedicação e o crescimento de cada menina envolvida em tais realizações”.

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página